.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. SEMANA DA INCONTINÊNCIA U...

.arquivos

. Junho 2012

. Janeiro 2012

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Sexta-feira, 18 de Março de 2011

SEMANA DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA

14 a 21 de Março de 2011


 

 Esta semana assinala-se o tema da Incontinência Urinária, um assunto muito importante mas diversas vezes esquecido. A incontinência urinária (IU) é definida como a perda involuntária de urina e é uma patologia com elevada prevalência. Nos EUA, os estudos apontam para uma prevalência de 35%, superior à de patologias crónicas, como a hipertensão arterial ou a diabetes mellitus. Em Portugal, a IU afecta cerca de 600 mil portugueses. A prevalência é superior nas mulheres e aumenta com a idade, sendo particularmente comum em mulheres pós-menopáusicas. É uma patologia que condiciona de forma significativa a vida das doentes, já que tem um considerável impacto social. É um problema muitas vezes subdiagnosticado e mal compreendido, cujas queixas as mulheres têm vergonha de expressar.

Por isso, a mensagem essencial deste apontamento sobre IU é, além de informar sobre a doença, alertar para que a IU tem, na maior parte dos casos, cura, pelo que é essencial procurar o seu médico

 

 

Entre os factores de risco para IU encontram-se:

- o sexo feminino

- o parto (sobretudo quando há história de complicações durante o parto ou casos de recém-nascidos grandes)

- obesidade, tabagismo e DPOC - doença pulmonar obstrutiva crónica -, obstipação (aumentam a pressão intra-abdominal)

 

Para compreender a IU é essencial rever o normal ciclo miccional:

- inicialmente, à medida que a bexiga enche, o músculo detrusor da bexiga relaxa, para poder acondicionar a urina (já que a bexiga é o órgão armazenador de urina), ao mesmo tempo que os músculos da uretra (esfíncteres) e do pavimento pélvico contraem, para evitar as perdas urinárias

 

- quando surge a sensação de preenchimento da bexiga e consequente vontade de urinar, o indivíduo pode manter a contracção da uretra, de forma voluntária, de forma a esperar o momento mais propício à micção

- durante a micção, o músculo detrusor contrai para forçar a saída da urina da bexiga, enquanto que os músculos da uretra (esfíncteres) e pavimento pélvico relaxam para permitir a saída de urina e, consequentemente, a micção.

 

 

E o ciclo repete-se.

 

No entanto, quando por uma multiplicidade de factores, estes mecanismos estão comprometidos, vão surgir as perdas involuntárias de urina.

 

A IU pode ser essencialmente de 2 tipos:

 

Incontinência Urinária de Esforço (49% casos)

- a falha regista-se ao nível da uretra, quando há uma insuficiente pressão de encerramento uretral

- pode ser causada por hipermobilidade da uretra e falta de sustentação desta pelo envolvente pavimento pélvico (na maioria dos casos) ou por deficiência intrínseca do esfíncter da uretra

- as perdas de urina são de pequena quantidade e totalmente inesperadas (não são antecedidas pela vontade de urinar)

- surgem durante o esforço, como a tosse, o riso, o espirro, a marcha, o desporto, ...

- acontecem mesmo quando a bexiga está pouco cheia

- cursam com uma frequência urinária normal (não há um aumento do número de micções)

 

 

Incontinência Urinária de Urgência (22%)

- a falha ocorre ao nível da bexiga, quando há uma hiperactividade do músculo detrusor da bexiga 

- as contracções involuntárias do músculo detrusor, originam um desejo súbito e incontrolável de urinar

- a pressão intravesical (dentro da bexiga), devido à contracção do detrusor, ultrapassa a resistência do esfíncter da uretra e leva à incontinência

- as perdas de urina são de maior quantidade e, apesar de antecedidas pela intensa vontade de urinar e dor associada, são geralmente imediatas e incontroláveis

- surge de forma espontânea, não associada ao esforço, em posição variável

- a capacidade funcional de armazenamento da bexiga está diminuida

- associada a aumento da frequência urinária de dia (espaços inferiores a 2 horas) e de noite (mais de 2 vezes por noite)


 

 

Em alguns casos, surge uma IU mista (esforço e urgência). 

Há diversos exames que são úteis para o estudo da IU e para direccionar o tratamento.

 

O tratamento pode ser médico ou cirúrgico.

No caso da IU de esforço é essencialmente cirúrgico, mas pode também ser auxiliado pelo controlo dos factores que aumentam a pressão intra-abdominal (perder peso, controlar farmacologicamente a tosse, ...), pelos exercícios de Kegel (que fortalecem os músculos perineais) ou pela terapêutica farmacológica com duloxetina (que aumenta a contracção do músculo da uretra).

Na IU de urgência, o tratamento visa diminuir não só a incontinência propriamente dita (as perdas involuntárias de urina) como diminuir a frequência urinária. O tratamento de 1ª linha é sempre não cirúrgico e passa pela modificação comportamental (evitando passar muitas horas sem urinar, diminuindo a ingestão de água, prevenindo infecções urinárias, realizando os exercícios de Kegel) e pela terapêutica farmacológica (mais frequentemente com anticolinérgicos - exs: "Ditropan", "Detrusitol", "Urispas" -; mas também com alfa-adrenérgicos). Nos casos refractários à terapêutica, terá de se optar pelo tratamento cirúrgico.

  

Como mensagem final:

 

 


publicado por Dreamfinder às 14:04

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.links